advogado correspondente brasilia

Empregado retornando de benefício previdenciário

Discussão em 'Direito do Trabalho' iniciado por Tiago Valim, 16 de Maio de 2017.

  1. Tiago Valim

    Tiago Valim Membro Pleno

    Mensagens:
    1
    Sexo:
    Masculino
    Estado:
    Rio Grande do Sul
    Caros e caras colegas,

    Um empregado que recebe alta do INSS (benefício 31) e retorna ao trabalho, porém, alega que a causa incapacitante se mantem, afastando-o novamente do trabalho por força de atestado médico. O empregado maneja ação de restabelecimento de benefício previdenciário e durante esse tempo se mantem afastado. Supomos que perca o processo e se verifique que a incapacidade não existiu, naquele período. A empresa possui obrigação de realizar o pagamento de alguma verba salarial, depósito de FGTS e considerar esse período para fins de concessão de férias?
  2. ChristianeM

    ChristianeM Membro Pleno

    Mensagens:
    156
    Sexo:
    Feminino
    Estado:
    Santa Catarina
    Esse é famoso limbo jurídico... Vou colar decisão recente do TST, condenando o empregador a arcar com os salários:

    Construtora é condenada por deixar pedreiro sem salário após alta previdenciária
    RR-2690-72.2015.5.12.0048
    (Ter, 21 Mar 2017 07:01:00)
    A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da Salver Construtora e Incorporadora Ltda., de Ituporanga (SC), contra condenação ao pagamento de salários a um pedreiro pelo período em que o médico da empresa o considerou inapto para o trabalho, apesar de ter recebido alta previdenciária. Nesse chamado “limbo jurídico”, em que deixou de receber o benefício previdenciário e também não voltou a receber salários, o profissional ficou sem remuneração.

    Após usufruir do auxílio-doença durante cerca de um mês em 2014, o pedreiro teve alta, mas a empresa não o aceitou de volta nem extinguiu o contrato. Ele buscou, por meio de ação na Justiça Federal, reverter a decisão do INSS e aguardava a determinação de realização de perícia médica, e, em reclamação trabalhista, pediu a reintegração ao emprego ou o pagamento dos salários. Em sua defesa, a Salver alegou que o pedreiro está inapto para o trabalho, e admiti-lo de volta seria “irresponsável e imprudente”.

    A 2ª Vara do Trabalho de Rio do Sul (SC) rejeitou o pedido, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC) entendeu que o empregador deve responder pelos salários até que seja restabelecida a normalidade da relação de emprego ou até que seja oficialmente afastado pela Previdência Social. Conforme o TRT, o contrato de trabalho fica suspenso durante o auxílio-doença, mas, findo o período, cada parte deve cumprir suas obrigações: “o trabalhador de prestar serviços, e o empregador de pagar salários”.

    O Regional assinalou também que apenas os peritos do INSS têm competência legal para emitir parecer sobre a capacidade de trabalho para fins previdenciários, e, embora a empresa tenha o dever de observar medidas e normas que visem a preservar a integridade física e a saúde do empregado, não pode privar o trabalhador do seu direito a receber salário.

    No recurso ao TST, a construtora sustentou que a inaptidão para o trabalho foi declarada por seu perito médico e se confirmou diante do ajuizamento da ação contra o INSS.

    A relatora, ministra Maria de Assis Calsing, destacou diversos precedentes do TST no sentido de que, sendo incerta a aptidão do empregado para o exercício de suas funções, cabe ao empregador realocá-lo em atividade compatível com suas limitações físicas, e não somente negar o seu retorno ao trabalho. “O entendimento predominante no âmbito da Corte é de que a responsabilidade pelo pagamento dos salários é do empregador”, concluiu.

    A decisão foi unânime.

    (Lourdes Tavares/CF)

    Processo: RR-2690-72.2015.5.12.0048
Tópicos Similares: Empregado retornando
Forum Título Dia
Artigos Jurídicos Autônomo ou Empregado? O Dilema de um Advogado 11 de Agosto de 2017
Direito do Trabalho Empregado que se tornou sócio 07 de Agosto de 2017
Direito do Trabalho Penhora de Salario do antigo empregador 07 de Dezembro de 2016
Direito do Trabalho Empregado. Mau cheiro. 05 de Dezembro de 2016
Direito do Trabalho Responsabilidade no Transporte de Empregados 30 de Junho de 2016

Compartilhe esta Página